Segunda-feira, 25 de Abril de 2005

25 DE A B R I L S E M P R E - VIVA A LIBERDADE

25042005.gif




25ab.jpg



TSUNAMI DA LIBERDADE FOI Á 31 ANOS


publicado por jmdslb às 15:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 24 de Abril de 2005

FÉ/RAZÃO - UM DEBATE REVISITADO- I

0001.jpg



Talvez encontrando na fé novos recursos para a razão, segundo o
director do jornal "O Público".


0 argumento do pastor alemão Ratszinger:"O mundo não pode ser relativista",
é uma falácia contudente,logo, digo eu, o homem não pode pensar.
Assim se o homem não pode pensar,tudo é absoluto para a Igreja.
O Papa Bento XVI, ex-Prefeito da Congregação da Fé,defende sem querer
o dogma da sua verdade absoluta até ao absurdo ad infinitum.Isto não
passa senão de uma falácia acidental,pois se a teologia pensa a verdade
da fé,a filosofia pensa a verdade da razão.E teologia e filosofia andaram
por vezes sempre muito juntas,tanto na mediavelidade como ainda na modernidade.
Assim é inevitável a velha querela entre Fé e Razão, na qual este novo Papa
tanto gosta de aludir,como no debate com o filósofo e sociólogo Habermas.
O que este novo Papa gostaria,era que se retornasse à velha escolástica,o
que nos remete indubitavelmente para o Doutor da igreja S. Tomás de Aquino
no qual paradoxalmente afirmou,"Reencontro-me inteiramente em Aristóteles".
Sem querer fazer comparações imediatas entre Ratszinger/Habermas e
Tomás de Aquino/Aristóteles não existe aqui alteridade,isto é dizer,um
terceiro como no época do tomismo como aquilo que o Doutor da igreja considerou
o erro de Averróis.(Continua)


publicado por jmdslb às 23:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 22 de Abril de 2005

A NÃO PERDER - NOS CINEMAS

0,1020,382507,00.jpg



A NÃO PERDER, OS ÚLTIMOS 12 DIAS
DO CRÁPULA NAZI,AQUI COM FACE
HUMANA...

publicado por jmdslb às 23:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 19 de Abril de 2005

FUMO BRANCO OU NEGRO NO VATICANO?

ansa_6110039_35150.jpg


ansa61134091904194449_big.jpg




TEMOS PAPA!

Inevitavelmente não era necessário ser bruxo ou São Malaquias

para adivinhar quem seria o próximo vigário de Deus ou Cristo

na terra. Assim a terceira pessoa da tríade, isto é dizer, da

Santíssima Trindade, o Espirito Santo, escolheu o melhor entre

os melhores. O Cardeal Ratzinger além de ser um óptimo

músico era o chefe da ex - INQUISIÇÃO, mais propriamente

da "Congregação do DOGMA DA FÉ". Conservação da fé?

Teólogo e filósofo por excelência espero que as suas teses

dogmáticas, absolutas, anti-relativistas,ortodoxas, sejam

agora discutidas. VEJO NO ENTANTO FUMO NEGRO.

publicado por jmdslb às 23:53
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 17 de Abril de 2005

FUMO NEGRO NA CAPELA SISTINA

banner_ratzinger.gif|
1050396509406.jpg

ratzingerpapa2vr.gif


ratzingerpapa25yq.gif

Teremos ja fumo branco com Ratzinger? O Cardeal mais conservador
e dogmatico da ortodoxia catolica?






publicado por jmdslb às 01:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Abril de 2005

PAZ - CONTRA TODOS OS ISMOS

cesarolaya_g.jpg



manologuallart_g.jpg



Contra à hipocrisia só me apetece gritar à PAZ, contra todos os
dogmatismos, fundamentalismos, radicalismos e sobretudo o populismo.
Esperemos que o cum clavis do Vaticano não falhe desta vez à primeira
para escolher um Papa que dure apenas um mês como o outro anterior
a este que nos abandonou. O Espirito Santo escolherá concerteza bem.
ÁMEN.

publicado por jmdslb às 23:56
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Abril de 2005

"PRINCÍPIOS DA FILOSOFIA DE DIREITO DE HEGEL" II (CONTINUAÇÃO)

wr.jpg



Ora para Hegel, nesta convicção « a Ideia é tida unicamente por aquilo que é uma ideia, uma representação num opinar, a filosofia garante nesse caso, pelo contrário, a intelecção que nada é real efectivo a não ser a Ideia»(Prefácio). Assim para o conceito do direito como já tivemos oportunidade de observar, o nosso filósofo defini-o como liberdade; « o solo do direito é a liberdade, direito sem liberdade não tem sentido, a liberdade só no direito tem o seu ser-aí. No direito está pois, o momento da liberdade. Esta é, em primeiro lugar, o interior da vontade. O homem é em si livre, mas não ainda na sua existência. Que ele o seja na existência é a segunda coisa, e a unidade de ambas o verdadeiro conceito do direito.»
É também neste sentido que Hegel faz questão de distinguir muito claramente o âmbito de investigação da história da esfera da investigação filosófica. Ora, o estudo da origem e desenvolvimento das regras jurídicas tal como aparecem no tempo é um trabalho puramente histórico e fica à margem da investigação filosófica que se debruça mais nomeadamente sobre a realização do conceito. Como ele próprio diz «Conceber o que é é a tarefa da filosofia, pois o que é é a razão. No que diz respeito ao indivíduo, cada um é, aliás, um filho do seu tempo; assim, a filosofia é também o seu tempo captado em pensamento.»
Assim ao definir o direito como «existência da vontade livre», o objecto de uma ciência filosófica do direito não poderia deixar de ser a própria abordagem da ideia de direito e, com ela, da realização da liberdade, pois o conceito de liberdade constitui a substância e o destino do direito que, desta forma, é o império da realização da liberdade. Ora é porque podemos considerar diferentes fases na realização do conceito de liberdade que existem diversos «direitos particulares».
Mas, antes de abordarmos a questão da existência dos vários «direitos particulares», vamos recuar um pouco e debruçarmo-nos mais sobre a própria definição do direito em geral como «existência da vontade livre», pois só a partir daqui podemos explicar a emergência dos diversos «direitos particulares». Assim, como já sabemos, Hegel assenta o direito no domínio do espírito em geral. O espírito evolui desde o sentimento até ao pensamento e é o conjunto das jornadas que se operam neste percurso que o levam a produzir-se como vontade. Inicialmente a vontade começa por conter em si o elemento da pura indeterminação (a pura reflexão do eu em si mesmo) mas, num segundo momento, dá-se uma passagem da indeterminação indiferenciada à diferenciação. Este segundo momento, o momento da determinação, é a abolição da primeira negatividade abstracta e, de certa forma, o primeiro momento já inculcava em si este segundo. Ora a vontade propriamente dita resulta da união destes dois momentos: ela é a particularidade reflectida sobre si que depois se ergue ao universal. Neste sentido, é precisamente na liberdade que a vontade se pertence, referenciando-se a si mesma e colocando de lado toda a dependência do alheio. Neste contexto, podemos dizer que a vontade livre é a ideia em si mesma e que o direito, dizendo respeito à existência da vontade livre, torna-se algo de grande importância, pois diz respeito à existência do conceito absoluto de liberdade consciente de si. Ora é precisamente a partir desta definição do direito como «existência da vontade livre» ( pressupõe que a liberdade se realiza em diferentes fases), que resulta a abordagem hegeliana da diversidade de formas do direito como sendo algo que deriva obrigatoriamente dos diferentes momentos que existem no processo ou desenvolvimento do conceito de liberdade. Assim, cada momento de desenvolvimento da ideia de liberdade tem o seu direito particular, precisamente porque é a existência da liberdade numa das determinações que lhe são próprias. Neste sentido, Hegel considera ainda a existência de diferentes momentos do desenvolvimento da ideia da vontade livre em si e para si: um primeiro momento em que a vontade livre surge como imediata (o seu conceito é abstracto – trata-se do domínio do direito abstracto/formal); um segundo momento em que a vontade regressa a si (vinda da sua existência exterior) e é determinada como individualidade subjectiva em face do universal; e, finalmente, um terceiro momento em que consiste na unidade dos momentos anteriores de onde resulta a ideia do bem realizada na vontade reflectida sobre si e no mundo exterior – trata-se da ideia na sua existência universal em si e para si.
Como podemos ver através desta breve análise, os problemas subjacentes da introdução dos Princípios da Filosofia do Direito de Hegel, relacionam-se indubitavelmente com a definição do direito como «existência da vontade livre», que estabelece como núcleo deste programa de trabalho a questão da realização da liberdade e dos seus diferentes momentos aos quais correspondem as diferentes formas de direito. A partir destes dois problemas fundamentais emergem outros problemas que se inculcam inevitavelmente neles, contudo, é mais directamente a partir dos dois problemas que delimitámos, que podemos centralizar uma abordagem teórico-problemática da introdução dos Princípios da Filosofia do Direito de Hegel.
Concluindo, o direito para Hegel é manifestação da liberdade, é poder. A filosofia do direito enquanto uma filosofia da liberdade, é liberdade objectiva independentemente dos indivíduos, porque estende a força de um poder à totalidade do mundo, de tal maneira que vê no mundo a totalidade e não um limite. O Estado não é uma força coerciva ou violenta contra a minha liberdade, ou a liberdade cria o seu próprio mundo ou então não é livre. Temos que saber o que o mundo histórico sabe sobre a liberdade, a filosofia do direito com a história universal, o saber de si com a liberdade.
Todo este sistema corresponde à posição diferenciada da consciência da liberdade, ao processo da sua efectivação, o qual, partindo de uma abstracção, a pessoa formalmente identificada como mero sujeito de relações jurídicas, passando pela autonomia da consciência individual, sujeito do dever moral, atinge no Estado a sua realidade efectiva, a vontade livre realizada que suscita para si um mundo como extensão da sua liberdade, uma «segunda natureza», o complexo das instituições em que o espírito ganha objectividade, a vida organizada de um povo.







publicado por jmdslb às 23:41
link do post | comentar | favorito
|

O vigário de "Deus" na terra agoniza... 1 de Abril...

papa_joao_paulo_II.jpg



O dia das mentiras começou ironicamente com a nova da
da morte do Papa.Por vários momentos durante o dia a
comunicação social anunciou a morte do Santo Papa, mas
como observámos segui-se a mentira ou o boato...
O Vaticano alia-se ao dia das mentiras...
E teimosamente morrerá no dia 2.

publicado por jmdslb às 23:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Vita Nuova

. ...

. Saudade ll

. ANGEL

. SIRENIA

. OT3P

. STEVE VAI

. The Raconteurs

. Dimebag Darrel

. Zakk Wilde's tribute to D...

.arquivos

. Outubro 2011

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

.links

.Player Guitar

EscudoAca.jpg

philosop.gif

Zakk Wylde Zakk Wylde: National Anthem

Add to My Profile | More Videos
logo_che.gif

.KLIK EM CADA VIDEO-THERÍON

.FILOSOFIA E LITERATURA

.Contador



.MYSPACE - BANDAS

.subscrever feeds