Domingo, 3 de Outubro de 2004

DAQUI A MOMENTOS

feher_main.jpg

publicado por jmdslb às 21:22
link do post | comentar | favorito
12 comentários:
De Anónimo a 5 de Outubro de 2004 às 00:27
Calma amigos!Isto são estórias materialistas,o que interessa é o espiritual.E Féher ficará no nosso espírito forever!Joao
</a>
(mailto:JMDslbjoao@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Outubro de 2004 às 00:14
João, permite-me que responda ao carissimo Letrasaoacaso: - Pagaram sim caro amigo, mas ainda que assim não tivesse acontecido, não implicava o eaquecimento de tão trágico acontecimento. Beijinhosannie
</a>
(mailto:a@mail.com)


De Anónimo a 5 de Outubro de 2004 às 00:11
Kida (in)perfeita,podes crer foi um sorriso perene que perpetuará por todo o sempre.Infinitamente finito.Beijos!!!!!!!!!!!!!!!Joao
</a>
(mailto:JMDslbjoao@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Outubro de 2004 às 00:08
Para LetraAoAcaso!Tubo bem amigo,mas histórias eco-nómicas destas ninguém pode cuspir para o ar.É a mácula.Abração amigo Zé!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Joao
</a>
(mailto:JMDslbjoao@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Outubro de 2004 às 00:06
Opa podes crer político são acontecimentos que marcam,ainda por cima para quem assistiu in loco.Um abração!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Joao
</a>
(mailto:JMDslbjoao@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Outubro de 2004 às 00:03
Olaa annie!Pois foi, tudo fizeram até inventaram um penalty,eheheheheheh,mas desta vez saiu-lhe o tiro pela culatra.Xau jinhos!!!!!!!!!!!!!!Joao
</a>
(mailto:JMDslbjoao@sapo.pt)


De Anónimo a 4 de Outubro de 2004 às 23:59
Caro Paulo nada tenho a opor sobre as teses hobbesianas aqui descritas.É consenso geral que o homem vivendo numa sociedade gerida pelo Direito Natural,ou melhor dizendo,no estado de natureza,seria a guerra de todos contra todos.Não haveria tempo e espaço para nada a não ser para os preparos da nossa sobrevivência.Uma sociedade sem Leis e sem razão seria a-desordem,o caos,mas para melhor esclarecimemto sobre esta matéria é consultar o seguinte blog :
www.a-desordem.blogspot.com,ou clikar no link do mesmo em baixo neste mesmo blog.Quanto a Rousseau terei que lhe fazer um pequeno reparo,onde diz "princípio geral",deve-se escrever "Vontade Geral".Quanto à questão Rousseau,é evidente que esta figura parda do iluminismo francês enveredou por um caminho mais democrático que o Liviatã de T Hobbes.No entanto quero realçar a teoria do "Bom Selvagem",na medida em que concordo plenamente com ela,ou seja,o homem é bom por natureza,nasce bom,depois ao evoluir e ao inculcar-se na sociedade é que se torna mau.É a sociedade em si que o transforma.Assim o seu sentido e meta consiste em desprender o homem da pressão e da coacção das leis;«Querem que eu aperte o meu corpo num espartilho» palavras sérias e graves.Ou então vejamos o que pensa J.Locke sobre o assunto:ele afirma que meswmo no estado de natureza,há uma lei moral eficaz e que se pode obrigar a cumprir,apoiada no direito natural de punir,ao passo que Hobbes se mostraria consideravelmente céptico em relação a esta afirmação.Ora bem temos aqui já uma terceira via:Um Hobbes real absoluto com a razão da força e da coacção;um Rousseau mais democrático,cuja palavra liberdade era tudo,e um Locke de carácter mais moralista e religioso.Qual das três teses então serviria para uma melhor Sociedade?
Em relação à nossa já velha querela sobre a anterioridade da língua como arqui-originária,aqui está a prótese de origem na sua mais pura originalidade desconstrutiva.Por outras palavras e para concluir mormente a continuação das suas profíquas dúvidas,devo dizer que a língua,a nossa língua materna já está habitada em mim porque eu sou monolingue.Ora esta é a única na qual estou votado a falar,enquanto falar me for possível e na vida e na morte jamais esta língua única,tá a ver,virá a ser minha.Nunca na verdade o foi.Eis o paradoxo e a desconstrução desta meta-linguagem.A língua é assim apropriada e alienada como uma origem de todos os sofrimentos,lugar de todas as paixões,dos desejos e de todas as esperanças.Esta estranheza paradoxal é uma cultura radical de que saio sem ter saído,saindo completamente sem nunca dela ter saído.Uma espécie de interdito.Na qual nas palavras é preciso tempo para apropriar,domesticar,cortejar,quer dizer amar incendiando,queimar,talvez mesmo destruir,em todo o caso marcar,transformar,talhar entalhar,forjar,enchertar ao lume,obrigar a vir diferentemente,diferentemente dito,a si em si.Somos monolingues,logo aparentemente enchertados como uma prótese na nossa própria origem da língua materna.um abraço!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Joao
</a>
(mailto:JMDslbjoao@sapo.pt)


De Anónimo a 4 de Outubro de 2004 às 21:33
Tb eu não consigo esquecer aquele último sorriso... Beijinhos, João :)(In)perfeita
(http://inperfeicao.blogspot.com/)
(mailto:miau_suzy@hotmail.com)


De Anónimo a 4 de Outubro de 2004 às 21:02
Deixo uma pergunta: pagaram a conta miserável ao fisco, para evitarem que a casa fosse penhorada?
Essa seria uma excelente homenagem ao desportista que deu a vida pelo clube.
Jamais esquecerei aquele sorriso, João.
Abraços meu amigo.LetrasAoAcaso
(http://LetrasAoAcaso.weblog.com.pt)
(mailto:LetrasAoAcaso@hotmail.com)


De Anónimo a 4 de Outubro de 2004 às 14:01
Uma enorme perda para o futebol e para a familia... merecida a homenagem.polittikus
(http://polittikus.blogspot.com)
(mailto:ppp@sapo.pt)


Comentar post