Domingo, 21 de Março de 2004

DA MINHA JANELA EM COIMRA - "MELODIA DO TEMPO INCERTO"

Deixa monstro deixa
que a minha alma cante
o canto doce
alegre suave
da Primavera
para que eu seja Primavera

Deixa monstro deixa
que o meu coração
seja fornalha a abrasar
os homens em Sol
-para que eu seja sol

Deixa monstro deixa
que o meu pensamento
virgem
se entregue limpo
claro
limpo
viril
em fecunda Liberdade
- para que eu seja Liberdade

Deixa monstro deixa
que eu seja
- sem fronteiras -
a vida
viva
que sou
- para que eu seja quem sou.


publicado por jmdslb às 15:53
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Anónimo a 21 de Março de 2004 às 22:22
É Susana, esses diabos nunca nos largam.Gostei da tua visita.Bjs.!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Joao
</a>
(mailto:JMDslbjoao@sapo.pt)


De Anónimo a 21 de Março de 2004 às 21:22
Mas porque será k nunca deixam.....? Os meus demonios pelo menos sao muiitooo teimosos e presentes. Um abraço.Susana
(http://demimparati.blogs.sapo.pt/)
(mailto:miau_suzy@hotmail.com)


Comentar post